quarta-feira, 10 de maio de 2017

CV UPDATING MAY the 10th.



CV

quarta-feira, 10-05-2017 :: 05:25
António Jorge de Castro Caeiro
Terminar sessão
Visão global
1. Dados pessoais
Nome completo
António Jorge de Castro Caeiro
Nome sob o qual publica
António de Castro Caeiro
Data de nascimento
27-09-1966
País de nacionalidade
Portugal
Sexo
M
Morada institucional
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Avenida de Berna, 26-C, 1069-061 Lisboa ...
1069-061 Lisboa
Portugal
Morada de residência
Av. Biarritz, 15, 6ºDtº
2765-399 Monte-Estoril
Portugal
Telefone instituição
217908300
Telefone residência

Email
acaeiro@mac.com
Fax

Telemóvel
915589369
URL
http://www.antoniodecastrocaeiro.com
2. Formação académica

Ano: 1998
Grau: DOUTORAMENTO
Classificação: Distinção e Louvor/Unanimidade
Instituição que conferiu o grau: Universidade Nova de Lisboa
Faculdade: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Título da tese: A Arete como Possibilidade Extrema do Humano
Orientador: Prof. Dr. Michel Renaud
Co-orientador: Prof. F.-W. von Herrmann
Domínio científico: Filosofia Antiga
Designação do curso: Filosofia Antiga
Ano: 2007
Grau: AGREGAÇÃO
Classificação: Unanimidade
Instituição que conferiu o grau: Universidade Nova de Lisboa
Faculdade: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Título da tese: Acesso ao "si" no seu "aí"
Orientador:
Co-orientador:
Domínio científico: Filosofia Contemporânea
Designação do curso: Filosofia
Ano: 1990
Grau: MESTRADO
Classificação: Unanimidade.
Instituição que conferiu o grau: Universidade Nova de Lisboa
Faculdade: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas
Título da tese: A redução fenomenológica nos "problemas fundamentais da fenomenologia" de Husserl
Orientador:
Co-orientador:
Domínio científico: Filosofia Contemporânea
Anos curriculares: 4
Designação do curso: Mestrado em Filosofia
3. Actividades anteriores e situação actual
Período
Cargo, categoria ou actividade
Instituição

4. Área de actividade científica
2016-2017
1º Semestre (1º Ciclo)
FILOSOFIA ANTIGA
Uma abordagem sistemática do conceito de filosofia na antiguidade, acepções fundamentais, problemas, programas e soluções.
1) Arist., M., A: O pensamento filosófico e o seu objecto: causas e princípios dos seres.
2) Os entes (ta chrêmata, ta pragmata, ta onta) no horizonte universal de sentido.
3 ) Filosofia e quotidiano. Verdade vs. Falsidade. Realidade vs. Ficção.
4) Mimesis e aletheia.
5) Pl., Phd., "aitia" , "physis" , "theôria", "praxis" , "aretê".
6 ) Pl., Res., X. Mimêsis vs. Alêtheia. Physis vs. Praxis.
7) Arist., M., G. Ontologia e princípios: contradição, identidade, razão suficiente.
8) Arist., M., Livro B: problemas e soluções.
9) Arist , NE., A, B , Z: ta onta (ta endechomena allôs echein e ta mê endechomena allôs echein).
10) Technê, episteme, poiesis.
11) Sophia vs. Phronesis.
12) Uma abordagem sistemática.

2016-2017
1º Semestre (1º Ciclo)
METODOLOGIAS DO TEXTO FILOSÓFICO
Pensar, captar, compreender, interpretar, explicar, provar e discutir são aspectos diferentes da filosofia. Diferentes abordagens metodológicas são necessários para fazer face a diferentes matérias. A especificidade do pensamento filosófico. O método científico. Diferentes filosofias têm diferentes métodos ou um único? No De Interpretatione de Aristóteles estão apresentados os operadores fundamentais que executam interpretação. A diferença entre uma proposição teórica cognitiva e uma hermenêutica. A dialética de Platão, a filosofia da linguagem de Aristóteles, os jogos de linguagem de Wittgenstein, a hermenêutica existencial de Heidegger são conceitos metodológicos ou diferentes interpretações dos mesmos problemas? São abordagens compatíveis ou incompatíveis entre si? Como podem estes problemas encontrar solução? Ter acesso a…, contribuir para e interpretar a verdade.

2016-2017
1º Semestre (3º CICLO)
PROBLEMÁTICAS
Problemas, programas , soluções.
1) Perspectivas sobre sentido e compreensão na filosofia analítica e na hermenêutica.
2) O Tractatus de Wittgenstein como aplicação sistemática do programa de Frege. Somente o referente tem valor de verdade , é formalmente verificável e admite quantificação. A "proposição bem formada" e a reivindicação filosófica universal entre tautologia e contradição.
2) A tendência pragmática nas Investigações Filosóficas. A elaboração dos princípios de compreensão da linguagem como formas de ação em vários campos de significado: jogos. Linguagem é ação.
3) Heidegger. Radicalização da linguagem. O ante-predicativo. A pressão continua para expressar o sentido. As estruturas profundas da linguagem. Linguagem quotidiana dependente da proto estrutura anónima do sentido.

2016-2017
SEMINÁRIO DE TRADUÇÃO DO LATIM (Curso livre)
SÉNECA. Epístolas Morais a Lucílio, 58.

SEMINÁRIO DE TRADUÇÃO DO GREGO (Curso livre)
PLATÃO. Górgias.

SEMINÁRIO DE TRADUÇÃO DO ALEMÃO (Curso livre)
WALTER BENJAMNIN, u¨ber den Begriff der Geschichte.


2015-2016
1º Semestre

FILOSOFIA ANTIGA
Uma abordagem sistemática do conceito de filosofia na antiguidade, acepções fundamentais, problemas, programas e soluções.
1) Arist., M. Livro A: O pensamento filosófico e o seu objecto: causas e princípios dos seres. 2) Os entes (ta chrêmata, ta pragmata, ta onta) no horizonte universal de sentido. 3 ) Filosofia e quotidiano. Verdade vs. Falsidade. Realidade vs. Ficção. 4) Mimesis e aletheia. 5) Pl., Phd., \"aitia\" , \"physis\" , \"theôria\", \"praxis\" , \"aretê\". 6) Pl., Res., X. Mimêsis vs. Alêtheia. Physis vs. Praxis. 7) Arist., M., G. Ontologia e princípios: contradição, identidade, razão suficiente. 8) Arist., M., Livro B: problemas e soluções. 9) Arist , NE., A, B , Z: ta onta (ta endechomena allôs echein e ta mê endechomena allôs echein). 10) Technê, episteme, poiesis. 11) Sophia vs. Phronesis. 12) Uma abordagem sistemática.

METODOLOGIA DO TEXTO FILOSÓFICO
Pensar, captar, compreender, interpretar, explicar, provar e discutir são aspectos diferentes da filosofia. Diferentes abordagens metodológicas são necessários para fazer face a diferentes matérias. A especificidade do pensamento filosófico. O método científico. Diferentes filosofias têm diferentes métodos ou um único? No De Interpretatione de Aristóteles estão apresentados os operadores fundamentais que executam interpretação. A diferença entre uma proposição teórica cognitiva e uma hermenêutica. A dialética de Platão, a filosofia da linguagem de Aristóteles, os jogos de linguagem de Wittgenstein, a hermenêutica existencial de Heidegger são conceitos metodológicos ou diferentes interpretações dos mesmos problemas? São abordagens compatíveis ou incompatíveis entre si? Como podem estes problemas encontrar solução? Ter acesso a…, contribuir para e interpretar a verdade.

3º CICLO
PROBLEMÁTICAS EM FILOSOFIA
Problemas, programas, soluções. 1) Perspectivas sobre sentido e compreensão na filosofia analítica e na hermenêutica. 2) O Tractatus de Wittgenstein como aplicação sistemática do programa de Frege. Somente o referente tem valor de verdade , é formalmente verificável e admite quantificação. A \"proposição bem formada\" e a reivindicação filosófica universal entre tautologia e contradição. 2) A tendência pragmática nas Investigações Filosóficas. A elaboração dos princípios de compreensão da linguagem como formas de ação em vários campos de significado: jogos. Linguagem é ação. 3) Heidegger. Radicalização da linguagem. O ante predicativo. A pressão continua para expressar o sentido. As estruturas profundas da linguagem. Linguagem quotidiana dependente da proto estrutura anónima do sentido.



2º Semestre
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
"O que é a filosofia?". Sobre o conceito de intencionalidade. 1) Existe um Mundo sem SI ou é o mundo auto-constituído? Onde está a Verdade? Intenção, sentido e referência, verdade e falsidade, realidade e ficção são temos comuns a ambas as tradições. Os projectos filosóficos de Frege, Wittgenstein, Husserl e Heidegger são abordagens aparentemente incompatíveis entre si. 2) As duas perspectivas filosóficas sobre questões como verdade, eu e mundo geram problemas, programas e soluções diferentes. Interpretação antagónica (histórica vs. a-histórica, intuitivo vs. não intuitiva, analítico vs. sintético, etc., etc. 3) O conceito do si próprio, e as diferentes interpretações de intencionalidade: a) racionalidade intencional de Husserl b ) o si que conversa em Wittgenstein, c) as intenções de Anscombe, d) intenções práticas de Davidson e e) o cuidado de si (Heidegger).


2014-105
1º Semestre

FILOSOFIA ANTIGA
O conceito de \"verdade\" na filosofia de Platão: Górgias e República. a) o conceito básico de verdade (alêtheia); b) a manifestação radical da verdade como revelação (apokalypsis); c) escolha e decisão

METODOLOGIA DO TRABALHO FILOSÓFICO
Análise do livro Beta (III) da Metafísica de Aristóteles como introdução à aporia e os respectivos programas de solução. Palavras como: substância, essência, entidade, uno, acidente, etc., são fundamentais para a compreensão da filosofia aristotélica bem como do pensamento filosófico em geral.

3º ciclo
PROBLEMÁTICAS em FILOSOFIA
O conceito fundamental de problema. a) \"aporia\" em Aristóteles. b) \"Problema\" em Wittgenstein (Investigações Filosóficas). c) \"Problematicidade\" (Fragwürdigkeit) em Heidegger.

2º Semestre
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
O \"outro\". Análise da 5ª Meditação Cartesiana de Husserl. A redução fenomenológica de Husserl primordial e secundária. A fenomenologia da Intersubjectividade.




2013-1014
1º Semestre

1ºCICLO
FILOSOFIA ANTIGA
O curso visa uma identificação do sentido da “filosofia” no Corpus Platonicum.

PROBLEMÁTICAS em FILOSOFIA
Um olhar para o caos: Píndaro, São Paulo, Santo Agostinho, Lutero, Kierkegaard, Nietzsche, Heidegger.

2º Semestre
SABÁTICA



2012-2013
1º Semestre

1º CICLO
FILOSOFIA ANTIGA
O curso visa identificar em toda a sua extensão o sentido da “kinesis” no corpus aristotelicum.

TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA
O curso é prático. Visa traduzir os fragmentos éticos dos Antigos Estóicos. Far-se-á uma análise sintática e semântica a partir do original Grego e Latino com vista à fixação da terminologia. Grego: 3ªª feiras 14-16: Fragmentos da Ética Estóica
Latim: 5ªª feiras 14-16: Epístolas de Séneca (Long & D. N. Sedley, The Hellenistic philosophers, Greek and Latin Texts with notes and Bibliography, Cambridge, CUP, 1987; Brad Inwood, Seneca, Selected philosophical Letters, Translated with an Introduction and Commentary, Oxford, OUP, 2007)


3º Ciclo
PROBLEMÁTICAS EM FILOSOFIA
Sobre as Definições: O curso visa uma aproximação ao conceito de definição, determinação do seu objecto, formulações possíveis e métodos empregues. Entre o objecto de definição como extrínseco à própria definição e a definição de si há diversos graus que procuraremos perseguir.

2º Semestre
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Sobre o sentido e referência. É o título do curso redundante? O que faz ou não sentido? O que tem ou não referência? O que existe sem que demos conta do facto? Qual o estatuto do que não tem existência real e, contudo, vive connosco diariamente? O que é inteligível sem ser compreensível? Qual a inteligibilidade do incompreensível? Procuraremos traçar desde a origem alguns dos problemas da contemporaneidade.

2011/2012:
1º Semestre:

1ºciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
Kinêsis na Physica de Aristóteles.

3º ciclo:
PROBLEMÁTICAS FILOSÓFICAS
Sobre a definição. Platão, Aristóteles, Wittgenstein.


2º Semestre:
1º Ciclo

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA:
Sobre o sentido: Wittgenstein e Heidegger.

TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA: Tácito.


2010/2011:
1º Semestre:

1º Ciclo
FILOSOFIA ANTIGA:
Definição de essência e crise de sentido. (Aristóteles Metafísica A, a, ZKT?, Física, Ética a Nicómaco, Analíticos posteriores).

2º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA:
Sentido e referência: Frege, Wittgenstein e Heidegger.

TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA:
Mulheres fatais e velhacos. Análise do sentido do êthos (carácter) e a sua reflexão na filosofia e na literatura antigas.


2009/2010:
1º ciclo:

FILOSOFIA ANTIGA
Metafísica de Aristóteles. Princípios e causas.Definição, essência e sentido em Aristóteles. (Aristóteles Metafísica A, a, Z, K, T, ?, Física, Analíticos posteriores, De anima) O objecto do curso é uma exposição do problema da constituição e expressão do sentido em Aristóteles.


2º ciclo:
QUESTÕES DE ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
filosófica: Epístolas escolhidas de São Paulo.

2º Semestre:
SABÁTICA: OXFORD, Oriel College: Conclusão da Tradução dos FRAGMENTA ARISTOTELIS com o Prof. David Charles.


2008/2009
1º Semestre:

1º Ciclo
FILOSOFIA ANTIGA.
O que é isso a Metafísica? Nos três primeiros livros da Metafísica Aristóteles fixa o seu ponto de vista a partir de um debate cerrado com a filosofia do passado: não apenas com Platão e os pitagóricos, mas com toda a tradição pré-socrática. No livro Beta, da Metafísica, encontramos o tratado das aporias, quinze, em que a situação critica do sentido, das diversas maneiras de se dizer o ser, passa a ser formulada. A Metafísica responde a essas questões nos seus diversos livros. É o projecto da apropriação do pensamento antigo, da reformulação das aporias, da própria metodologia de Aristóteles que seguiremos. Lançar os fundamentos da Metafísica ou, então, fundar uma teologia, determinar as categorias lógicas ou ontológicas do pensamento? Em Aristóteles encontramos a filosofia como o projecto de interrogação radical da vida, ainda que sem respostas.


2º Semestre:
TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA
Aristóteles, Categoriae.

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Husserl e Heidegger. Duas concepções sobre a temporalidade.

2007/2008
1º Semestre

1º ciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
O projecto filosófico de Platão procura identificar a verdade a partir do isolamento da mentira e da dissimulação activa. No Sofista parte-se de uma percepção da realidade que se acha num elemento de verdade para suspeitarmos de que não sabemos a verdade das coisas. O nosso elemento vital é o de um encobrimento extremo de todas as coisas. É possível corrigir a ambiguidade do sentido? Ou, pelo contrario, é possível controlar as técnicas que permitem manipular os outros? O Sofista denúncia de forma maciça o nosso ponto de vista como de meros imitadores, totalmente afastados da verdade.


2º ciclo:
QUESTÕES DE ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
O conceito de tempo: Aristóteles, Santo Agostinho, Descartes, Kant, Husserl e Heidegger.

QUESTÕES DE ÉTICA APLICADA
O conceito de consciência: syneidêsis, conscientia, Gewissen.

2º Semestre:

1º ciclo
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Formas de nada. A analítica existencial temporal do ser o aí (Dasein) identifica os modos como o nada acontece. A pergunta pelo sentido do ser em geral é provocada por uma devastadora perda de sentido. A ausência é experimentada como presença. Tentaremos olhar para os diversos modos como a ausência se torna presente. O desaparecimento das coisas, a indisponibilidade do equipamento, os outros que perdemos, nós que não chegamos a ser quem éramos para ter sido. O sentido desse aí universal é o preocupante estar sempre a deixar de ser.

TEMAS DE ONTOLOGIA
Descartes: as meditationes de prima Philosophia. Uma análise com comentário.

2006/2007:
1º Semestre:

1º Ciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
Metafísica Alfa e a tradição filosófica.
Seminário: Leitura e interpretação do texto filosófico.

FILOSOFIA DA RELIGIAO
Interpretação fenomenológica do religioso. Heidegger e São Paulo.

2º Ciclo:
QUESTÕES DE ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Heidegger: Disposição de primeira e nésima ordem. Fundo e superfície do Tédio.


2005/2006
1º Semestre:
Licença sabática: University of South Florida: Self.

1º Ciclo:
2º Semestre:

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Filosofia e Poesia, em Hölderlin. Os textos de Heidegger sobre Hölderlin.

CURSO LIVRE (no departamento de Ciências da Comunicação)
A aprendizagem como imitação. Platão, Respublica.

2004/2005
1º Semestre:

1º Ciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
Escatologia em Platão: Górgias, Fédon, República.

2º semestre:
ONTOLOGIA II
Nenhures, nunca, ninguém, nada: Analítica existencial temporal do Dasein de Heidegger.

SEMINÁRIO
a definição do humano como animal rationale

2º Semestre
FILOSOFIA CONTEPORÂNEA II
Inanidade. Analítica existencial temporal do Dasein de Heidegger.
2003/2004
1º Semestre:

FILOSOFIA ANTIGA (Estudos aprofundados III)
Imitação da Vida, Rep. X, Leges III, Ion.

2º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA (Estudos aprofundados IV):
O programa da lírica Antiga.

FILOSOFIA CONTEMPORÊNEA
Outrem no lance da nossa vida. Analítica existencial do Dasein de Heidegger.

2002/2003:
1º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA III
como aguentar os pathê e construir um logos no meio da tempestade emocional. Platão, Respublica.

2º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA. Estudos aprofundados: A NOSTALGIA como fenómeno existencial na Pítica IV de Píndaro.

FILOSOFIA CONTEMPORÃNEA
Conceito de fenomenologia em Scheler, Husserl e Heidegger.

2001/2002
1º semestre:
FILOSOFIA ANTIGA
A imitação da vida. Platão, Leges III, Respublica X.

2º semestre :
Sabática: Freiburg i. Br.: Tradução da Ética a Nicómaco.

2000/2001:
1º Semestre:
ONTOLOGIA
Heidegger sobre crise, decisão de sentido, momento oportuno, ocasião e hipótese.


1999/2000:

2º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Heidegger: à mão, das Zuhandene, e perante, das Vorhandene, nas suas diversas acepções.

1998/1999:
1º Semestre:
FILOSOFIA MODERNA
pré-meditação, meditação. Descartes. Meditationes.

2º Semestre:
FILOSOFIA MODERNA
razões: pura, prática, teleológica. Kant

1997/1998:
1º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Encaminhamento(s) da fenomenologia: Husserl e Scheler



2º Semestre
FILOSOFIA MODERNA
Presentificação meditativa do horizonte do cogito.

1996/1997:
1º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
“die phänomenologische Fundamentalbetrachtung”. Husserl. Ideen I.

FILOSOFIA ANTIGA
A filosofia como Saber fundamental.

FILOSOFIA ANTIGA IV
Fenomenologia da praxis em Aristóteles.

1995/1996:
Equiparação a bolseiro.

1994/1995:
Equiparação a bolseiro.

1993/1994:
1º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA.
Phronesis em Aristóteles. EN Z.

FILOSOFIA ANTIGA II.
Saber daquilo por que se passa (eidenai tou ta autou prattein)


FILOSOFIA MODERNA
Redução ao ego cogito. Meditationes de prima philosophia.

1992/1993:
1º Semestre:
FILOSOFIA MODERNA
constituição da res cogitans (dos ‘sensus’ à ‘clara et distincta perceptio’).
Descartes, Hume, Leibniz.

FILOSOFIA ANTIGA
Logos e Alêtheia. Pré-socráticos. Platão. Aristóteles.

1991/1992:
1º Semestre:
FENOMENOLOGIA
Redução fenomenológica: eidética e transcendental: Husser, Ideen I.

FILOSOFIA MODERNA
Substantialitas da realitas cogitativa e da realitas extensa.


1990/1991:
1º e 2º Semestres
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Imagem e semelhança: expressões do humano.

FILOSOFIA ANTIGA
Causa em Platão e Aristóteles.


IDEALISMO ALEMÃO
análise do Górgias.








Seminários dirigidos em regime de curso livre:

Seminários de tradução de textos filosóficos em alemão:

2006/2007: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2005/2006: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2004/2005: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2003/2004: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2002/2003: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2001/2002: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2000/2001: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1999/2000: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1998/1999: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1997/1998: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1993/1994: SCHELER, der Formalismus.
1992/1993: SCHELER, der Formalismus.
1991/1992: SCHELER, der Formalismus.
1990/1991 HEIDEGGER, Natorpsbericht.


Seminários de tradução do grego antigo:

2011/2012 PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.): conclusão.
SENECA, Epistolae morales ad Lucilium
ARIUS DIDYMUS, Epitome.

2010/ 2011 PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)
SENECA, Epistolae morales ad Lucilium
ARIUS DIDYMUS, Epitome.

2009/2010: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)
SENECA, Epistolae morales ad Lucilium
ARIUS DIDYMUS, Epitome.

2008/2009: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2007/2008 2º semestre: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2006/2007: PLATÃO, PHAEDRUS.
2005/2006: PLATÃO, PHAEDRUS
2004/2005: PLATÃO, PHAEDRUS
2003/2004: PLATÃO, PHAEDRUS
2002/2003: PLATÃO, PHAEDRUS
2001/2002: PLATÃO, PHAEDO
2000/2001: PLATÃO, PHAEDO
1999/2000: PLATÃO, PHAEDO
1998/1999: PLATÃO, PHAEDO
1997/1998: PLATÃO, PHAEDO
1993/1994: PLATÃO, PARMENIDES
1992/1993: PLATÃO, PARMENIDES
1991/1992: PLATÃO, PARMENIDES
1990/1991: PLATÃO, PARMENIDES




Seminários de tradução de textos filosóficos em latim:

2011/2012 SENECA, epistolae morales ad Lucilium
2009/2010, C. CRUSIUS, Dissertatio philosophica de vsv et limitibvs principii rationis determinantis vvlgo sufficientis, LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis
( no âmbito do Seminário sobre o Princípio de Razão Suficiente organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2008/2009 LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis

2007/2008 LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis (no âmbito do Seminário sobre o Princípio de Razão Suficiente organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)


5. Domínio de especialização
Domínio de especialização
Ancient Philosophy and Contemporary Philosophy.
Actuais interesses de investigação
"Definition" in Ancient Philosophy.
"Meaning", "Reference", "Sense" in Analytical and Continental Philosophy.
Concepts of "mens", "mos", "animus", "anima", "indoles", "ingenium" in Tacitus.
Translation of the "Fragmenta Aristotelis" ed. Valentin Rose for the INCM.
Outras competências/actividades
Translation Seminars from the Greek and Latin into Portuguese: formation.
Ancient Philosophy and Contemporary Philosophy.
Coordenador do curso Complementar em Filosofia (2006-2009).
Offering Translation Seminars from the ancient Greek and Latin into portuguese.
Visiting Scholar at the Faculty of philosophy, languages and Literature and Human Sciences, USP, August, 2014
Visiting Scholar at the Faculty of Law (Ribeirão Preto) of USP, August-September, 2012
Visiting Scholar at the ORIEL COLLEGE, OXFORD, 2nd Semester 2009-2010.
Visiting Scholar at the UNIVERSITY OF SOUTH FLORIDA, Fall Semester 2005-2006.
Visting Scholar at the ALBERT LUDWIG FREIBURG, Winter Semester 2003, 1994-1996.
Visiting Scholar at the UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, 2010.


6. Experiência na orientação
Eduardo José Barros de Abrantes Silva, Referência: SFRH/BD/48679/2008, Bolsa avaliada na área de Filosofia

Jorge Humberto Dias em Filosofia Política e Moral.
7. Participação em projectos
Participação em projectos de investigação (coordenador/membro de equipas)
SISTEMAS FILOSÓFICOS: TRADUÇÃO DO FILEBO DE PLATÃO E DE TEXTOS DE LEIBNIZ SOBRE O PRINCIPIUM RATIONIS SUFFICIENTIS. Na Unidade de Investigação: Linguagem, Interpretação e Hermenêutica.
8. Prémios e Distinções
Ano
Prémio ou distinção
Entidade promotora
9. Publications

Teses
A Areté como Possibilidade Extrema do Humano- Fenomenologia da Práxis em Platão e Aristóteles, I. N. C. M., Lisboa, 2002.
A doutrina da Redução fenomenológica de Husserl nos Grundprobleme der Phänomenologie, Tese de Mestrado, 1990.
Livros (autor)
2017: Píndaro, Odes Olímpicas, Lisboa, Abysmo.

2017: Anjos, J., Barreto, C., Caeiro, A. Gago, A., No Precipício Era o Verbo, Lisboa, Abysmo.

2014: ARISTÓTELES, Fragmentos dos Diálogos e Obras Exortativas, Lisboa, INCM.

2014: São Paulo, Apocalipse e Conversão, Lisboa, Alêtheia, 2014.

2012: Aristóteles, Ética a Nicómaco, Tradução, introdução e notas, Quetzal, 2012 (4ª edição).

2012: Aristóteles, Ética a Nicômaco, Tradução, introdução e notas, São Paulo, Atlas, 2012 (2ª edição).

2010: Por si próprio (o conceito de Pessoa em Max Scheler), Porto, Fundação Engenheiro António de Almeida, 2010.

2010: Píndaro Odes, Tradução, Prefácio e notas, Quetzal, 2010.

2006: Píndaro Odes Píticas para os Vencedores, Tradução do grego, introdução e notas, Prime Books, 2006.

Capítulos de livros
2016: "Parte e Todo, Outro e Próprio, Vazio e Pleno- categorias existenciais em São Paulo" in Categorias Existenciais, Fim, Sentido, Ipseidade, Ferro, Nuno e Lima, Paulo, IEF, Coleções e-QVODLIBET, Coimbra, pp. 7-39. [http://www.uc.pt/fluc/uidief/ebooks/categorias_existenciais_1]

2013: “Looking into the Mirror” in In the Mirror of the Phaedrus, De Carvalho, Mário Jorge; De Castro Caeiro, António; Telo, Hélder, Academia Verlag, 2013.

2013: "Is There Any Theory of Value in Aristotle’s Ethics?" in Aristotle and The Philosophy of Law: Theory, Practice and Justice, L. Huppes-Cluysenaer, Unviersity of Amsterdam, Netherlands; N. M. Coelho, University of São Paulo, Brazil (Eds).

2012: "A Lêthê e os seus contrários" in Incursões no Filebo CAEIRO, A./ de CARVALHO, M. J. (eds.), Porto, Fundação Engenheiro António de Almeida, 2013-

2011: "Compreender o einai e o alêthê dokein e a semântica estruturante do poiein (Sofista, 234a-240c)" in F. Lisi, M. Migliori, J. Monserrat-Molas (eds.). “Formal Structures in Plato's Dialogues: Theaetetus, Sophist and Statesman.” Sankt Augustin: Akademia Verlag. 2011. pp. 168-179.


Outras publicações
2016d: "Eva" in Adão e Eva. Flanzine nº14.

2016c: Plato’s Gorgias’ Eschatological Myth. In: Plato’s Gorgias – Labyrinth and Threads (Mário Jorge de Carvalho & Tomaz Fidalgo, Colecção: eQVODLIBET 3 1ª edição, Coimbra.

2016b: Plato’s Gorgias Eschathological myth. In Maria José Velasquez, Greek Philosophy and Mystery Cults, (pp. 51-68). Oxford, OUP.

2016a: Caeiro, António de Castro. (no Prelo). The Dimensions of Time in Plato's Parmenides (140a1-42a8) and Proclus’ Commentarium in Platonis Parmenidem.?António Manuel Martins, The Plato’s Parmenides, (pp.?)

2009: "The Origins of Analogical Thinking in Western Thought— Notes Towards a Constitution of an 'Ethologia Transcendentalis' Based on Heraclitus and Pindar" in EXPRESSÕES DA ANALOGIA, Actas do Colóquio/Proceedings, org. Maria Luísa Couto Soares, Nuno Venturinha, Gil da Costa Santos, Marta Faustino, 2009, Edições Colibri, Lisboa.

2008: "O acesso a outrem como SI no seu AÍ" in DIDASKALIA, Revista da Faculdade de Teologia/Lisboa, xxxviii, fascículo 1, 2008, pp. 227-256.

2008: “Deus em Aristóteles: na Metafísica (XII, vii-ix) e na Ética a Nicómaco (X, vi-viii). O enérgico agente da mudança, kínesis” in A Questão de Deus na História da Filosofia, Vol. I, projecto coordenado por Maria Leonor L. O. Xavier, Vol I, Projecto FCT/CFUL [PTDC/FIL/64249/2006] 2007-2010, 2008.

2007: A Nostalgia na Quarta Pítica de Píndaro". In Frederico Lourenço (org.), Ensaios sobre Píndaro. Lisboa: Livros Cotovia, 2007.

2007: "Da Dúvida em Descartes". E.CIÊNCIA. 122 (2007) 13-22.

2000: "Experiência de Resistência a partir de Max Scheler", in Quid: revista de filosofia. Número um: sobre a experiência. João Constâncio, Lisboa, Cotovia, 2000.
10. Comunicações

Comunicações orais por convite
2017: 18 de Março: Paulo José Miranda em retrospectiva. CoopA - Associação Aldeia Cooperativa de Artes. Sociedade Musical 5 de Outubro.

2017: 17 de Março. Tempo finito e tempo infinito (Resp. 608c5-d1). Repetição, quotidiano e unicidade temporal. PROBLEMÁTICAS DO QUOTIDIANO NOS DIÁLOGOS DE PLATÃO. Seminário da Sociedade Ibérica de Filosofia Grega. Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

2016: 22 de Julho. Self-knowledge and Search for Identity in Sophocles’ ‘Oedipus Tyrannus’. Sophocles' Oedipus Tyrannys. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade Nova de Lisboa.

2016, 6 e 7 de Julho, “The Aristotelian Theory of Ideas in the Lost Book 'Peri ideôn'" in The Fragments of Aristotle's Lost Works, International Conference, Faculdade de Letras de Lisboa.

2016, 14 de Maio, o lugar do poeta no "vão de escadas" (H. von Hofmannsthal), in "Reverso I 02, Encontro de autores, artistas e editores independentes, Arte performativa, 12-14 de Maio", Cossul, Santos, Lisboa.

2016, 18 de Janeiro, Deus em Aristóteles in “Os filósofos também falam de Deus”, curso de 11 de Janeiro a 2 de Maio, Capela do Rato.

2015, 18 de Setembro: A relação sôma/psychê no Protréptico de Aristóteles in REUNIÃO PLENÁRIA DA SOCIEDADE IBÉRICA DE FILOSOFIA GREGA ALGARVE, OS FRAGMENTOS DAS OBRAS PERDIDAS DE ARISTÓTELES, Organização: Biblioteca da Universidade do Algarve Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa Projecto de Tradução Anotada das Obras de Aristóteles (PTDC/MHC-FIL/3672/2012) Departamento de Artes e Humanidades da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve.

2015, 15 de Setembro, Notas para a compreensão da ideia de alfabeto, PEDRA FILOSOFAL, PAX - DO ESPIRITO À PARTÍCULA, 12 Sessão, Uma proposta de conhecimento e pesquisa acerca da construção do Ser, e dos corpos subtis – O VEÍCULO de MATÉRIA LÚCIDA Lisboa.

2015, 4 de Setembro, "Os sentimentos são mais facilmente revelados pelo eu literário?" in 1º Festival Literário de Ovar, Ovar.

2015, July the 24th: Hypsipolis vs. apolis. The structural transcendental intersubjectivity of human beings (in Antigone’s First Stasimon). IN On Sophocles' Antigone: The First Stasimon, FCSH/UNL, Lisbon, LIF, Research Unity.

2015: O outro em Husserl e Heidegger, Ciclo de Seminários Clínicos, 16 de Maio de 2015, Sociedade Portuguesa de Psicoterapia Breves.

2015: Filosofia, autonomia e praxis, in Cruzar Saberes, Um percurso reflexivo transdisciplinar, Escola Secundária Eça de Queirós, Lisboa, 9 de Maio, 2015, org. Centro de Formação de Escolas António Sérgio.

2015: 2015: Socrates’ Frustration with Anaxagoras’ NOUS, Plato's Phaedo: 'New Glimpses Through the Old Holes', Lisbon, VIP Executive Zurique Hotel, Room Ariane, Organization: LIF, Research Unit, Philosophical Systems Group, March, 27 th.

2014:- António de Castro Caeiro, X hupo tinos kinêthênai/hê tês kinêsôs archê. Expressões da ‘mudança’ em Aristóteles. in I Simpósio Ibérico de Filosofia Grega. Aristóteles e o Aristotelismo, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa 25 e 26 de Setembro de 2014.

2014:- "A eudaimonia e 'o agir o melhor possível com os recursos disponíveis (EN 1101a21)'". Em— A filosofia de Platão e de Aristóteles, Projecto Temático, FFLCH/USP, Direcção de Marco Zingano, São Paulo, Brasil, 14 de Agosto, 2014.

2014:- "A hexis na constituição da praxis, Ar., EN II, v." Em— A filosofia de Platão e de Aristóteles, Projecto Temático, FFLCH/USP, Direcção de Marco Zingano, São Paulo, Brasil, 12 de Agosto, 2014.


2014:- The Principle of totality, "hê tou holou physis", in Marcus Aurelius, In The Categorial Laboratory of the Stoics-I, Lisbon March 28th-29th 2014, Research Unit LIF- University of Coimbra/ FCT, VIP Zurique Hotel Lisbon

2014:- Indícios, sintomas e etologia. A reconstituição da verdade nas Historiae de Tucídides. 1ªª Jornadas Luso-Brasileiras de Filosofia Antiga. Medicina e Psicologia na Antiguidade. Universidade do Minho, Braga, 27 de Fevereiro.

2013:- "Metáforas de verdade – no laboratório de Píndaro" in Poesia e Filosofia na Grécia Antiga:
Afinidades, Cruzamentos, Querelas, Colóquio Internacional, FCSH/UNL, 1 de Novembro.

2013:- "Confutation and Eschatology in Plato's Gorgias" in Labyrinths and Threads, Lisboa / Hotel Zurique, Junho, 7 e 8.

2013:- "Escatología no Gorgias de Platão" in The University of Santiago de Compostela (Spain), along with the Research Group of Classical Philology and the Iberian Society of Greek Philosophy organizes the Course 'Greek Philosophy and Mystery Religions´. Junho 30-31.


2013:- "Tempo e disposição nas Píticas de Píndaro" in The University of Santiago de Compostela (Spain), along with the Research Group of Classical Philology and the Iberian Society of Greek Philosophy organizes the Course 'Greek Philosophy and Mystery Religions´. Junho 30-31.

2013:— « Motivations » et « causalité » dans les Annales de Tacite, 21 de Março, Séminaire: "Causes et principes", Centre Léon Robin, Université Paris IV - Sorbonne, salle des actes.

2013:— Completude e incompletude: elementos escatológicos na p????? de Aristóteles, in Causa Final., 23 de Janeiro, FCSH/UNL.

2012:— 'Ta en têi psychêi gignomena', EN II, v. Os elementos constitutivos da praxis em Aristóteles" in Asamblea Ordinaria de Socios de la Sociedad Ibérica de Filosofía Griega, 16 de Novembro de 2012, Sala de Juntas da Facultad de Filosofía da Universidad Complutense de Madrid.


2012:- "Parte e todo, outro e próprio, vazio e pleno Categorias existenciais em São Paulo" in Categorias Existenciais III, FCSH/UNL, LIF/FLUC. Igreja de São Nicolau, Salão João Paulo II Rua dos Douradores, 57, Lisboa, 27 e 28 de Outubro de 2012.


2012:- Ética a Nicómaco- Livro V, Tradução, Interpretação, Comentário. In: Seminário de Pesquisa, Faculdade de Direito de Ribeirão Preto da USP, Campus da USP, 7, 14, 21 e 28 de Agosto (Evento transmitido ao vivo: http://www.emm.usp.br/fdrp/).

2012:- 'Justiça': virtude dos tolos? no Seminário Ética nas Relações Jurisdicionais, Faculdade de Direito de ribeirão Preto, da USP, 27 a 29 de Agosto de 2012, em Ribeirão Preto, Organizado pela Associação dos Juízes Federais de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

2012:- O discurso exortativo (Protreptikos logos) de Aristóteles e a filosofia, Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirão Preto, 23 de Agosto de 2012, Ribeirão Preto.

2012:- Tradição da tradução grega para a Contemporaneidade via Cícero e Séneca, "II Colóquio Direito, Argumentação e Normatividade, PUC Minas, em Belo Horizonte, 9 de Agosto de 2012

2012:- O Problema da Justiça em Aristóteles: Livro V da Ética a Nicómaco, Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da Universidade de Minas Gerais, em Belo Horizonte, a 10 de Agosto, 2012.

2012:- Fundamentação fenomenológica do Direito em Hermann Schmitz: honra e vergonha, em "Ciclo de Debates: Tópicos de Filosofia do Direito", FDRB-USP, a 3 de Agosto, 2012.

2012:- The Dimensions of Time in Plato's Parmenides (140a1-42a8) and Proclus’ Commentarium in Platonis Parmenidem. Congresso Internacional O Parménides de Platão, conjuntamente organizado pela U I & D Linguagem, Interpretação e Filosofia da Universidade de Coimbra, pela U I & D Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra e pela Secção Mediterrânica da International Plato Society, congresso que teve lugar em Coimbra, entre 14 e 16.6 .2012 (a publicar nas Actas do Encontro)

2012:- Lebenswelt: Affektion e Selbstaffektion em Husserl, comunicação apresentada na Workshop Realidade, Causalidade e Resistência”, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, em sessão que teve lugar em Lisboa, na F.C.S.H., em 2 de Junho, 2012 (a publicar no volume de estudos sobre Realidade, Causalidade e Resistência);

2012:- RES MORTALIUM, FATUM and FORS (Tac. Ann.m VI, 22, 1-16), nas Jornadas: Identidade e Política, na Universidade da Madeira (UMa), através do Centro de Competência de Artes e Humanidades, leva a cabo, nos dias 10, das 14h00 às 18h00, e 11 de maio, das 10h00 às 13h00, as Jornadas “Identidade e Política”.


2012:- "Is there any Theory of Value in Aristotle's Ethics?", in Área de Filosofia del Derecho de la Universidade de Alicante, April, the 25th, 2012.

2012:- O "hama têi physei on” como radicalização do “pros ti” no Corollarium de tempore de Simplício", IInd International Congress of the Sociedad Iberica de Filosofia Griega, Palma de Maillorca, Universidad de Baleares, April, 19th-21st, 2012.

"Knowledge and communication in Saint Paul", Lisbon, Núcleo Católico, da FCSH/UNL, 13 de Dezembro, 2011.

São Paulo, no ciclo de conferências sobre Figuras da Conversão, Igreja de São Nicolau, 24 de Novembro de 2011

"The Phenomen of 'Widerstand'" in Max Scheler, Coimbra, Faculty of Letters of the University of Coimbra, 2011

Elementos disposicionais do conceito de PNEUMA em São Paulo, comunicação apresentada ao Colóquio Categorias Existenciais II: Disposições, organizado pela Unidade de Investigação Linguagem Interpretação e Filosofia, da Universidade de Coimbra, e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H, colóquio que teve lugar em Lisboa, na Sala João Paulo II, entre 16 e 18 de Setembro de 2011;

"Semântica e sintaxe do "pros ti" (Simplício e Aristóteles)" in A(s) Origem(ns) da(s) causa(s) II— Aspectos do desenvolvimento do modelo causal no Helenismo, 22/07/2011, UNL/FCSH, LIF.

"Looking in to the Mirror (Phaedrus, 255d3-e1 and Hermias scholion in Phaedrum)" In The Mirror of The Phaedrus, Faculty of Arts, University of Coimbra, 4, 5 May, 2011.

"Anthrôpos as 'aitia' and 'archê' of the practical horizon in the NE of Aristotle" inIII International Aristotle Seminar at Coimbra Causation in Greek and Medieval Philosophy 17-18 March 2011 Faculty of Arts, University of Coimbra.

"'INDOLES', 'INGENIUM', 'ANIMUS', 'MORES' como constituição da lucidez e a possibilidade da LIBERDADE HUMANA nos Anais de Tácito" in Seminário permanente de Filosofia Antiga: A(s) Origem(ns) da(s) causa(s). Aspectos do Desenvolvimento do modelo causal no pensamento antigo, Workshop 8 de Janeiro de 2011, Organização conjunta da Unidade de Investigação LIF DA Universidade de Coimbra e do Centro de Estudos de Filosofia da FCSH/UNL.

“ESTRUTURAS DE VIDA (zôai) e MANEIRAS DE SER (bioi): A PROAIRESIS como princípio da mudanca (archê kinêseôs) na Ética a Nicómaco”. Universidade Nova de Lisboa i grup Linguagem, Interpretacao e Filosofia (LIF), Seminari Internacional: «Incursions en el Fileb II: Aristòteli lector del Fileb», 21 I 22 d’octubre, Facultat de Filosofia de la Universitat de Barcelona i Institut d’Estudis Catalans.

“A descrição da situação de conflito entre os limites logon echon e alogon na psychê em Aristóteles” [texto lido primeiramente na reunião da SIFG em Valência], 30 e 31 de Agosto, Seminário Justiça e razão prátcia em Aristóteles, livros V e VI da Ética a Nicomaco, Faculdade de direito da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

"A Sensação como Operador Hermenêutico no 'Livro do Desassossego' de Bernardo Soares" in IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL FARIAS BRITO, A literatura como origem de questionamento filosófico, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 23 e 24 de agosto de 2010.

"FIGURAS DA INAUTENTICIDADE E O PREOCUPANTE", Colóquio "CATEGORIAS EXISTENCIAIS", 24, 25 e 26 de Junho, organizado pela FCSH/UNL, LIF e Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

?“ARISTOTLE, ARISTÓTELES, ARISTOTELES: Heteronomies”??António de Castro Caeiro (Universidade Nova de Lisboa) TRINITY COLLEGE, OXFORD. Portuguese seminars, Tuesday 18th May (4th Week) 2.15 pm, T.11, 47 Wellington Square.
?
"A lêthê e os seus Contrários" in Incursões no Filebo/Incursions en el Fileb, Coimbra, 2 e 3 de Julho, LIF, FLUC e GRHP da Universidade de Barcelona.

"CATEGORIAS POLÉMICAS na descrição da situação conflito entre os limites "logon echon" e alogon na psychê (Aristóteles, EN 1102b13-1103a10, 1105b19-1106a13)" in seminario de la SIFG: polemos kai logos, Valencia, 27 de marzo de 2009.

“Understanding the einai and the dokeîn einai from the semantics of poioin Sophistes (234A-240C)”in Reunió científica de l’àrea mediterrània de la International Plato Society, Barcelona, 27, 28 i 29 d’octubre de 2008 «Estructures formals i forma literària en el Teetet, El sofista i El polític»

"Reviver o passado em Tebas como lembrança de futuro (algumas notas para a compreensão de uma teoria da ´anamnêsis´ em Píndaro: VIIª Ístmica e Iª Pítica)."
Colóquio Internacional "Píndaro e Baquílides: o epinício e a memória da cidade", 20 de Junho 2008, Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, Org. Frederico Lourenço, Maria do Céu Fialho, Maria de Fátima Silva.

Ética a Nicómaco: Seminário internacional sobre Questões de Ética Aplicada, promovido pela Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP) da USP, 2 e 3 de Junho de 2008.

Seminário Internacional sobre Questões de Ética Aplicada, promovido pela Faculdade de Direito de Conselheiro Lafaiete, 5 e 6 de Junho de 2008.

"The Origins of Analogical Thinking In Western Thought —Notes Towards A Constitution Of An Ethologia Transcendentalis Based On Heraclitus (540-470 BC) and Pindar (518-438 BC)—" in "Colóquio Internacional Interdisciplinar "Expressões da Analogia", 29 a 31 de Maio Universidade Nova de Lisboa (UNL)".

“Notas para a compreensão do conceito de internacionalismo em Max Scheler e Peter Sloterdjik." in "Cosmopolitismo - Jornada de Reflexão do Departamento de Filosofia da FCSH", 20 de Maio, 2008.

"A génese da "mimêsis" na Pítica XII de Píndaro e no livro X da República de Platão". in "Congresso International de Filosofia Griega, Palma de Mallorca (España) entre los días 24, 25 y 26 de abril de 2008 Sociedade Ibérica de Filosofia Grega"


2016-2017
1º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA
Uma abordagem sistemática do conceito de filosofia na antiguidade, acepções fundamentais, problemas, programas e soluções.
1) Arist., M., A: O pensamento filosófico e o seu objecto: causas e princípios dos seres.
2) Os entes (ta chrêmata, ta pragmata, ta onta) no horizonte universal de sentido.
3 ) Filosofia e quotidiano. Verdade vs. Falsidade. Realidade vs. Ficção.
4) Mimesis e aletheia.
5) Pl., Phd., "aitia" , "physis" , "theôria", "praxis" , "aretê".
6 ) Pl., Res., X. Mimêsis vs. Alêtheia. Physis vs. Praxis.
7) Arist., M., G. Ontologia e princípios: contradição, identidade, razão suficiente.
8) Arist., M., Livro B: problemas e soluções.
9) Arist , NE., A, B , Z: ta onta (ta endechomena allôs echein e ta mê endechomena allôs echein).
10) Technê, episteme, poiesis.
11) Sophia vs. Phronesis.
12) Uma abordagem sistemática.

2016-2017
1º Semestre:
METODOLOGIAS DO TEXTO FILOSÓFICO
Pensar, captar, compreender, interpretar, explicar, provar e discutir são aspectos diferentes da filosofia. Diferentes abordagens metodológicas são necessários para fazer face a diferentes matérias. A especificidade do pensamento filosófico. O método científico. Diferentes filosofias têm diferentes métodos ou um único? No De Interpretatione de Aristóteles estão apresentados os operadores fundamentais que executam interpretação. A diferença entre uma proposição teórica cognitiva e uma hermenêutica. A dialética de Platão, a filosofia da linguagem de Aristóteles, os jogos de linguagem de Wittgenstein, a hermenêutica existencial de Heidegger são conceitos metodológicos ou diferentes interpretações dos mesmos problemas? São abordagens compatíveis ou incompatíveis entre si? Como podem estes problemas encontrar solução? Ter acesso a…, contribuir para e interpretar a verdade.

2016-2017
1º Semestre (3º CICLO)
PROBLEMÁTICAS

Problemas, programas , soluções.

1) Perspectivas sobre sentido e compreensão na filosofia analítica e na hermenêutica.
2) O Tractatus de Wittgenstein como aplicação sistemática do programa de Frege. Somente o referente tem valor de verdade , é formalmente verificável e admite quantificação. A "proposição bem formada" e a reivindicação filosófica universal entre tautologia e contradição.
2) A tendência pragmática nas Investigações Filosóficas. A elaboração dos princípios de compreensão da linguagem como formas de ação em vários campos de significado: jogos. Linguagem é ação.
3) Heidegger. Radicalização da linguagem. O ante-predicativo. A pressão continua para expressar o sentido. As estruturas profundas da linguagem. Linguagem quotidiana dependente da proto estrutura anónima do sentido.

2016-2017:

SEMINÁRIO DE TRADUÇÃO DO LATIM:
Sen. Ep. 58.

SEMINÁRIO DE TRADUÇÃO DO GREGO:
Pl. Gor.

2015-2016
1º Semestre

FILOSOFIA ANTIGA
Uma abordagem sistemática do conceito de filosofia na antiguidade, acepções fundamentais, problemas, programas e soluções.
1) Arist., M. Livro A: O pensamento filosófico e o seu objecto: causas e princípios dos seres. 2) Os entes (ta chrêmata, ta pragmata, ta onta) no horizonte universal de sentido. 3 ) Filosofia e quotidiano. Verdade vs. Falsidade. Realidade vs. Ficção. 4) Mimesis e aletheia. 5) Pl., Phd., \"aitia\" , \"physis\" , \"theôria\", \"praxis\" , \"aretê\". 6) Pl., Res., X. Mimêsis vs. Alêtheia. Physis vs. Praxis. 7) Arist., M., G. Ontologia e princípios: contradição, identidade, razão suficiente. 8) Arist., M., Livro B: problemas e soluções. 9) Arist , NE., A, B , Z: ta onta (ta endechomena allôs echein e ta mê endechomena allôs echein). 10) Technê, episteme, poiesis. 11) Sophia vs. Phronesis. 12) Uma abordagem sistemática.

METODOLOGIA DO TEXTO FILOSÓFICO
Pensar, captar, compreender, interpretar, explicar, provar e discutir são aspectos diferentes da filosofia. Diferentes abordagens metodológicas são necessários para fazer face a diferentes matérias. A especificidade do pensamento filosófico. O método científico. Diferentes filosofias têm diferentes métodos ou um único? No De Interpretatione de Aristóteles estão apresentados os operadores fundamentais que executam interpretação. A diferença entre uma proposição teórica cognitiva e uma hermenêutica. A dialética de Platão, a filosofia da linguagem de Aristóteles, os jogos de linguagem de Wittgenstein, a hermenêutica existencial de Heidegger são conceitos metodológicos ou diferentes interpretações dos mesmos problemas? São abordagens compatíveis ou incompatíveis entre si? Como podem estes problemas encontrar solução? Ter acesso a…, contribuir para e interpretar a verdade.

3º CICLO
PROBLEMÁTICAS EM FILOSOFIA
Problemas, programas, soluções. 1) Perspectivas sobre sentido e compreensão na filosofia analítica e na hermenêutica. 2) O Tractatus de Wittgenstein como aplicação sistemática do programa de Frege. Somente o referente tem valor de verdade , é formalmente verificável e admite quantificação. A \"proposição bem formada\" e a reivindicação filosófica universal entre tautologia e contradição. 2) A tendência pragmática nas Investigações Filosóficas. A elaboração dos princípios de compreensão da linguagem como formas de ação em vários campos de significado: jogos. Linguagem é ação. 3) Heidegger. Radicalização da linguagem. O ante predicativo. A pressão continua para expressar o sentido. As estruturas profundas da linguagem. Linguagem quotidiana dependente da proto estrutura anónima do sentido.



2º Semestre
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
"O que é a filosofia?". Sobre o conceito de intencionalidade. 1) Existe um Mundo sem SI ou é o mundo auto-constituído? Onde está a Verdade? Intenção, sentido e referência, verdade e falsidade, realidade e ficção são temos comuns a ambas as tradições. Os projectos filosóficos de Frege, Wittgenstein, Husserl e Heidegger são abordagens aparentemente incompatíveis entre si. 2) As duas perspectivas filosóficas sobre questões como verdade, eu e mundo geram problemas, programas e soluções diferentes. Interpretação antagónica (histórica vs. a-histórica, intuitivo vs. não intuitiva, analítico vs. sintético, etc., etc. 3) O conceito do si próprio, e as diferentes interpretações de intencionalidade: a) racionalidade intencional de Husserl b ) o si que conversa em Wittgenstein, c) as intenções de Anscombe, d) intenções práticas de Davidson e e) o cuidado de si (Heidegger).


2014-105
1º Semestre

FILOSOFIA ANTIGA
O conceito de \"verdade\" na filosofia de Platão: Górgias e República. a) o conceito básico de verdade (alêtheia); b) a manifestação radical da verdade como revelação (apokalypsis); c) escolha e decisão

METODOLOGIA DO TRABALHO FILOSÓFICO
Análise do livro Beta (III) da Metafísica de Aristóteles como introdução à aporia e os respectivos programas de solução. Palavras como: substância, essência, entidade, uno, acidente, etc., são fundamentais para a compreensão da filosofia aristotélica bem como do pensamento filosófico em geral.

3º ciclo
PROBLEMÁTICAS em FILOSOFIA
O conceito fundamental de problema. a) \"aporia\" em Aristóteles. b) \"Problema\" em Wittgenstein (Investigações Filosóficas). c) \"Problematicidade\" (Fragwürdigkeit) em Heidegger.

2º Semestre
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
O \"outro\". Análise da 5ª Meditação Cartesiana de Husserl. A redução fenomenológica de Husserl primordial e secundária. A fenomenologia da Intersubjectividade.




2013-1014
1º Semestre

1ºCICLO
FILOSOFIA ANTIGA
O curso visa uma identificação do sentido da “filosofia” no Corpus Platonicum.

PROBLEMÁTICAS em FILOSOFIA
Um olhar para o caos: Píndaro, São Paulo, Santo Agostinho, Lutero, Kierkegaard, Nietzsche, Heidegger.

2º Semestre
SABÁTICA



2012-2013
1º Semestre

1º CICLO
FILOSOFIA ANTIGA
O curso visa identificar em toda a sua extensão o sentido da “kinesis” no corpus aristotelicum.

TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA
O curso é prático. Visa traduzir os fragmentos éticos dos Antigos Estóicos. Far-se-á uma análise sintática e semântica a partir do original Grego e Latino com vista à fixação da terminologia. Grego: 3ªª feiras 14-16: Fragmentos da Ética Estóica
Latim: 5ªª feiras 14-16: Epístolas de Séneca (Long & D. N. Sedley, The Hellenistic philosophers, Greek and Latin Texts with notes and Bibliography, Cambridge, CUP, 1987; Brad Inwood, Seneca, Selected philosophical Letters, Translated with an Introduction and Commentary, Oxford, OUP, 2007)


3º Ciclo
PROBLEMÁTICAS EM FILOSOFIA
Sobre as Definições: O curso visa uma aproximação ao conceito de definição, determinação do seu objecto, formulações possíveis e métodos empregues. Entre o objecto de definição como extrínseco à própria definição e a definição de si há diversos graus que procuraremos perseguir.

2º Semestre
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Sobre o sentido e referência. É o título do curso redundante? O que faz ou não sentido? O que tem ou não referência? O que existe sem que demos conta do facto? Qual o estatuto do que não tem existência real e, contudo, vive connosco diariamente? O que é inteligível sem ser compreensível? Qual a inteligibilidade do incompreensível? Procuraremos traçar desde a origem alguns dos problemas da contemporaneidade.

2011/2012:
1º Semestre:

1ºciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
Kinêsis na Physica de Aristóteles.

3º ciclo:
PROBLEMÁTICAS FILOSÓFICAS
Sobre a definição. Platão, Aristóteles, Wittgenstein.


2º Semestre:
1º Ciclo

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA:
Sobre o sentido: Wittgenstein e Heidegger.

TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA: Tácito.


2010/2011:
1º Semestre:

1º Ciclo
FILOSOFIA ANTIGA:
Definição de essência e crise de sentido. (Aristóteles Metafísica A, a, ZKT?, Física, Ética a Nicómaco, Analíticos posteriores).

2º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA:
Sentido e referência: Frege, Wittgenstein e Heidegger.

TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA:
Mulheres fatais e velhacos. Análise do sentido do êthos (carácter) e a sua reflexão na filosofia e na literatura antigas.


2009/2010:
1º ciclo:

FILOSOFIA ANTIGA
Metafísica de Aristóteles. Princípios e causas.Definição, essência e sentido em Aristóteles. (Aristóteles Metafísica A, a, Z, K, T, ?, Física, Analíticos posteriores, De anima) O objecto do curso é uma exposição do problema da constituição e expressão do sentido em Aristóteles.


2º ciclo:
QUESTÕES DE ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
filosófica: Epístolas escolhidas de São Paulo.

2º Semestre:
SABÁTICA: OXFORD, Oriel College: Conclusão da Tradução dos FRAGMENTA ARISTOTELIS com o Prof. David Charles.


2008/2009
1º Semestre:

1º Ciclo
FILOSOFIA ANTIGA.
O que é isso a Metafísica? Nos três primeiros livros da Metafísica Aristóteles fixa o seu ponto de vista a partir de um debate cerrado com a filosofia do passado: não apenas com Platão e os pitagóricos, mas com toda a tradição pré-socrática. No livro Beta, da Metafísica, encontramos o tratado das aporias, quinze, em que a situação critica do sentido, das diversas maneiras de se dizer o ser, passa a ser formulada. A Metafísica responde a essas questões nos seus diversos livros. É o projecto da apropriação do pensamento antigo, da reformulação das aporias, da própria metodologia de Aristóteles que seguiremos. Lançar os fundamentos da Metafísica ou, então, fundar uma teologia, determinar as categorias lógicas ou ontológicas do pensamento? Em Aristóteles encontramos a filosofia como o projecto de interrogação radical da vida, ainda que sem respostas.


2º Semestre:
TEMAS DE FILOSOFIA ANTIGA
Aristóteles, Categoriae.

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Husserl e Heidegger. Duas concepções sobre a temporalidade.

2007/2008
1º Semestre

1º ciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
O projecto filosófico de Platão procura identificar a verdade a partir do isolamento da mentira e da dissimulação activa. No Sofista parte-se de uma percepção da realidade que se acha num elemento de verdade para suspeitarmos de que não sabemos a verdade das coisas. O nosso elemento vital é o de um encobrimento extremo de todas as coisas. É possível corrigir a ambiguidade do sentido? Ou, pelo contrario, é possível controlar as técnicas que permitem manipular os outros? O Sofista denúncia de forma maciça o nosso ponto de vista como de meros imitadores, totalmente afastados da verdade.


2º ciclo:
QUESTÕES DE ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
O conceito de tempo: Aristóteles, Santo Agostinho, Descartes, Kant, Husserl e Heidegger.

QUESTÕES DE ÉTICA APLICADA
O conceito de consciência: syneidêsis, conscientia, Gewissen.

2º Semestre:

1º ciclo
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Formas de nada. A analítica existencial temporal do ser o aí (Dasein) identifica os modos como o nada acontece. A pergunta pelo sentido do ser em geral é provocada por uma devastadora perda de sentido. A ausência é experimentada como presença. Tentaremos olhar para os diversos modos como a ausência se torna presente. O desaparecimento das coisas, a indisponibilidade do equipamento, os outros que perdemos, nós que não chegamos a ser quem éramos para ter sido. O sentido desse aí universal é o preocupante estar sempre a deixar de ser.

TEMAS DE ONTOLOGIA
Descartes: as meditationes de prima Philosophia. Uma análise com comentário.

2006/2007:
1º Semestre:

1º Ciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
Metafísica Alfa e a tradição filosófica.
Seminário: Leitura e interpretação do texto filosófico.

FILOSOFIA DA RELIGIAO
Interpretação fenomenológica do religioso. Heidegger e São Paulo.

2º Ciclo:
QUESTÕES DE ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Heidegger: Disposição de primeira e nésima ordem. Fundo e superfície do Tédio.


2005/2006
1º Semestre:
Licença sabática: University of South Florida: Self.

1º Ciclo:
2º Semestre:

FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Filosofia e Poesia, em Hölderlin. Os textos de Heidegger sobre Hölderlin.

CURSO LIVRE (no departamento de Ciências da Comunicação)
A aprendizagem como imitação. Platão, Respublica.

2004/2005
1º Semestre:

1º Ciclo:
FILOSOFIA ANTIGA
Escatologia em Platão: Górgias, Fédon, República.

2º semestre:
ONTOLOGIA II
Nenhures, nunca, ninguém, nada: Analítica existencial temporal do Dasein de Heidegger.

SEMINÁRIO
a definição do humano como animal rationale

2º Semestre
FILOSOFIA CONTEPORÂNEA II
Inanidade. Analítica existencial temporal do Dasein de Heidegger.
2003/2004
1º Semestre:

FILOSOFIA ANTIGA (Estudos aprofundados III)
Imitação da Vida, Rep. X, Leges III, Ion.

2º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA (Estudos aprofundados IV):
O programa da lírica Antiga.

FILOSOFIA CONTEMPORÊNEA
Outrem no lance da nossa vida. Analítica existencial do Dasein de Heidegger.

2002/2003:
1º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA III
como aguentar os pathê e construir um logos no meio da tempestade emocional. Platão, Respublica.

2º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA. Estudos aprofundados: A NOSTALGIA como fenómeno existencial na Pítica IV de Píndaro.

FILOSOFIA CONTEMPORÃNEA
Conceito de fenomenologia em Scheler, Husserl e Heidegger.

2001/2002
1º semestre:
FILOSOFIA ANTIGA
A imitação da vida. Platão, Leges III, Respublica X.

2º semestre :
Sabática: Freiburg i. Br.: Tradução da Ética a Nicómaco.

2000/2001:
1º Semestre:
ONTOLOGIA
Heidegger sobre crise, decisão de sentido, momento oportuno, ocasião e hipótese.


1999/2000:

2º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Heidegger: à mão, das Zuhandene, e perante, das Vorhandene, nas suas diversas acepções.

1998/1999:
1º Semestre:
FILOSOFIA MODERNA
pré-meditação, meditação. Descartes. Meditationes.

2º Semestre:
FILOSOFIA MODERNA
razões: pura, prática, teleológica. Kant

1997/1998:
1º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
Encaminhamento(s) da fenomenologia: Husserl e Scheler



2º Semestre
FILOSOFIA MODERNA
Presentificação meditativa do horizonte do cogito.

1996/1997:
1º Semestre:
FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA
“die phänomenologische Fundamentalbetrachtung”. Husserl. Ideen I.

FILOSOFIA ANTIGA
A filosofia como Saber fundamental.

FILOSOFIA ANTIGA IV
Fenomenologia da praxis em Aristóteles.

1995/1996:
Equiparação a bolseiro.

1994/1995:
Equiparação a bolseiro.

1993/1994:
1º Semestre:
FILOSOFIA ANTIGA.
Phronesis em Aristóteles. EN Z.

FILOSOFIA ANTIGA II.
Saber daquilo por que se passa (eidenai tou ta autou prattein)


FILOSOFIA MODERNA
Redução ao ego cogito. Meditationes de prima philosophia.

1992/1993:
1º Semestre:
FILOSOFIA MODERNA
constituição da res cogitans (dos ‘sensus’ à ‘clara et distincta perceptio’).
Descartes, Hume, Leibniz.

FILOSOFIA ANTIGA
Logos e Alêtheia. Pré-socráticos. Platão. Aristóteles.

1991/1992:
1º Semestre:
FENOMENOLOGIA
Redução fenomenológica: eidética e transcendental: Husser, Ideen I.

FILOSOFIA MODERNA
Substantialitas da realitas cogitativa e da realitas extensa.


1990/1991:
1º e 2º Semestres
ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA
Imagem e semelhança: expressões do humano.

FILOSOFIA ANTIGA
Causa em Platão e Aristóteles.


IDEALISMO ALEMÃO
análise do Górgias.








Seminários dirigidos em regime de curso livre:

Seminários de tradução de textos filosóficos em alemão:

2006/2007: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2005/2006: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2004/2005: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2003/2004: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2002/2003: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2001/2002: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
2000/2001: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1999/2000: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1998/1999: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1997/1998: HEIDEGGER, Sein und Zeit.
1993/1994: SCHELER, der Formalismus.
1992/1993: SCHELER, der Formalismus.
1991/1992: SCHELER, der Formalismus.
1990/1991 HEIDEGGER, Natorpsbericht.


Seminários de tradução do grego antigo:

2011/2012 PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.): conclusão.
SENECA, Epistolae morales ad Lucilium
ARIUS DIDYMUS, Epitome.

2010/ 2011 PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)
SENECA, Epistolae morales ad Lucilium
ARIUS DIDYMUS, Epitome.

2009/2010: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)
SENECA, Epistolae morales ad Lucilium
ARIUS DIDYMUS, Epitome.

2008/2009: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2007/2008 2º semestre: PLATÃO, Philebus (no âmbito do Seminário Permanente de Filosofia Antiga organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2006/2007: PLATÃO, PHAEDRUS.
2005/2006: PLATÃO, PHAEDRUS
2004/2005: PLATÃO, PHAEDRUS
2003/2004: PLATÃO, PHAEDRUS
2002/2003: PLATÃO, PHAEDRUS
2001/2002: PLATÃO, PHAEDO
2000/2001: PLATÃO, PHAEDO
1999/2000: PLATÃO, PHAEDO
1998/1999: PLATÃO, PHAEDO
1997/1998: PLATÃO, PHAEDO
1993/1994: PLATÃO, PARMENIDES
1992/1993: PLATÃO, PARMENIDES
1991/1992: PLATÃO, PARMENIDES
1990/1991: PLATÃO, PARMENIDES




Seminários de tradução de textos filosóficos em latim:

2011/2012 SENECA, epistolae morales ad Lucilium
2009/2010, C. CRUSIUS, Dissertatio philosophica de vsv et limitibvs principii rationis determinantis vvlgo sufficientis, LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis
( no âmbito do Seminário sobre o Princípio de Razão Suficiente organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)

2008/2009 LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis

2007/2008 LEIBNIZ, Textos sobre o principium reddendae rationis (no âmbito do Seminário sobre o Princípio de Razão Suficiente organizado pela Unidade de Investigação LIF da Universidade de Coimbra e pelo Centro de Estudos de Filosofia da F.C.S.H.)